(031) 3195-0580
4infra

Todos os dias sofremos com o risco de que aconteçam imprevistos e erros. Falhas de software, ataques cibernéticos são contratempos, ligados a causas naturais, como também são provocados pela ação humana. Para administrá-los é fundamental o plano de recuperação de desastres. 

Indispensável para área de TI, o plano de recuperação de desastres é uma ferramenta importante para lidar com os problemas que acontecem na vida cotidiana de uma empresa. 

Acidente como a queda de energia ou erro de colaboradores, por exemplo, afetam o funcionamento da empresa, além de gerar perdas na produtividade. Observando esses cenários hipotéticos, é desenvolvido o plano de recuperação de desastres. 

Com origem ligada ao termo inglês Disaster Recovery Plan, também conhecido pela sigla DRP, o plano ajuda a empresa a lidar com acidentes diários de forma mais eficiente. O plano de recuperação de desastres tem o objetivo de minimizar impactos de um erro ou falha. 

Dessa forma, o plano propõe soluções que irão recuperar informações abaladas por um acidente  ou até mesmo propondo pausas para retomar as atividades. Com o DRP, a empresa consegue funcionar, mesmo quando há algum erro ou acidente, até voltar a normalidade. 

A partir do plano de recuperação de desastres, que apresentará um planejamento de ações, o negócio sofre menos impactos com as interferências que surgirem.

Como desenvolver um bom plano de recuperação de desastres em 3 passos

Roubos de dados, desastres naturais são contratempos e desafios que a sua empresa precisa estar preparada para lidar. Para que a empresa elabore ações mais efetivas com menos impactos negativos, elaboramos três dicas valiosas para a elaboração do plano de recuperação de desastres. 

1.Identifique os riscos e os impactos para a empresa

Antes de pensar nas ações, é importante compreender quais contratempos podem acontecer ao longo de um dia de trabalho. Para isso, é importante levar em consideração as áreas da empresa. 

A partir da compreensão dos departamentos que compõem o empreendimento, é possível delimitar os riscos que podem afetar as atividades diárias. Um caminho interessante para esse primeiro passo é pensar no que é fundamental para que aquela atividade aconteça. 

Um bom exemplo é imaginar situações hipotéticas e mensurar seus impactos. Se acontecer uma pane e a empresa perder dados relacionados às finanças do último ano, de que maneira isso impactará o setor financeiro? Quais práticas podem ajudar a contornar esse problema?

Além de compreender quais são os riscos, é importante avaliá-los. Dessa forma, podemos delimitar ações de recuperação que precisam ser priorizadas e o que será fundametal para o funcionamento do negócio. 

Nesse sentido, será possível definir quais ações são menos essenciais e quais causam menos danos para a empresa. Com isso, é definido o que pode ser deixado para um segundo momento.

2. Desenvolve uma política de continuidade

Sabe quando uma situação dá errado no trabalho, mas você continua cumprindo suas demandas? Isso faz parte da  política de continuidade da empresa!

O objetivo dessa ação é promover nos colaboradores da empresa o foco em permanecer cumprindo com as tarefas do dia, mesmo com contratempos. Assim, os colaboradores ficam cientes do que fazer no momento que ocorrer contratempos. 

3. Crie metas e estratégias para o plano de recuperação

Para além de pensar nas ações do plano, é importante criar metas que irão ajudar a mensurar e estimular prazos para ações. Para isso, existem dois indicadores que podem ajudar: RTO e RPO. Ambos os indicadores identificam recuperações prioritárias para a empresa e o tempo gastos pelas ações.

O Recovery Time Objective, também conhecido como RTO, ajuda a determinar o período que as ações do plano gastam até retornar às atividades normalmente. A contagem desse tempo acontece a partir da identificação do acidente. 

Em caso de desastres, o Recovery Point Objective, o RPO, observa o número de dados que são perdidos. Vale lembrar que o RPO indica um valor aceitável de perda. Outra questão importante é deixar as metas e objetivos apontados com clareza no plano. 

Após pensar nas metas e levantar quais são os riscos para cada setor e quais questões são prioritários, é possível desenvolver estratégias para o plano de recuperação. Para isso, é importante que essas ideias levem em consideração os recursos disponíveis no local.

4. Apresente o plano e sempre pense em formas de melhorá-lo!

Após desenvolver o plano de recuperação para desastres, com metas, objetivos e estratégias, é o momento de compartilhá-lo! Assim, todos os membros da empresa estarão preparados para os contratempos que podem surgir. 

Além de apresentá-lo, é importante revisar o que foi proposto e pensar no que é importante para que as ações sejam colocadas em prática. A partir disso, é possível delimitar recursos e ferramentas importantes para esse momento. 

É importante destacar que, de nada adianta desenvolver um plano que não é revisitado. Além do mais, o plano precisa ser revisado com uma certa frequência. A empresa pode passar com transformações e, essas mudanças, devem estar dentro do plano. 

Com essas dicas, será mais fácil desenvolver o plano de recuperação de desastres para sua empresa. Se nesse processo identificar as necessidades de auxílio de profissionais da área de TI, saiba que a 4Infra oferece serviços de consultoria até a terceirização do setor TI. 

Entre em contato com a nossa equipe e conheça outras soluções da área no nosso site! Fique por dentro das inovações tecnológicas no blog da 4Infra.

Aqui no blog da 4infra, já falamos sobre metodologias ágeis em outros momentos. Hoje, falaremos da metodologia Scrum, queridinha de muitas equipes de TI.

A metodologia Scrum é uma metodologia ágil para gestão de projetos e planejamento de projetos de software. 

O termo, popular, foi desenvolvido por Jeff Sutherland, um piloto de aeronáutica que tinha como objetivo entender como tornar o desenvolvimento de processos e projetos mais ágil.

Antes de entender mais sobre Scrum, porém, precisamos voltar um pouco e abordar as metodologias ágeis. Existem várias metodologias, cada uma com seus processos. 

O que são metodologias ágeis? 

As metodologias ágeis são um conjunto de técnicas e pilares que possuem como objetivo melhorar a gestão dos projetos e oferecer mais rapidez, flexibilidade e eficiência, sem deixar de lado a escalabilidade.

Para as metodologias ágeis, é importante a melhoria contínua dos processos, os feedbacks constantes, e as entregas rápidas mas com qualidade, flexibilidade e adaptabilidade.

Existem diversos tipos de metodologias ágeis. As mais populares são a metodologia Scrum (o que vamos abordar hoje!), o KANBAN, XP e Lean. 

Todas elas, porém, utilizam como pilares os fundamentos abaixo: 

1- pessoas são mais importantes do que ferramentas;

2- funcionamento é mais importante que burocracias;

3- a flexibilidade é mais importante do que o plano original;

4 - parcerias são mais importantes que contratos.

O que é Scrum? 

O método Scrum propõe a divisão de projetos em pequenos ciclos de atividades, para melhor acompanhamento das etapas que compõem o projeto.

Por isso, os projetos no Scrum são divididos em ciclos denominados sprints (podem ser mensais ou quinzenais). O sprint representa um conjunto de atividades a serem feitas naquele tempo. 

Durante o sprint são feitas reuniões diárias (comumente chamadas de “daily sprint”, ou apenas “daily”) que tem como objetivo alinhar a equipe em relação ao trabalho que foi desenvolvido no dia anterior.

É também uma boa oportunidade para identificar empecilhos e dificuldades que possam estar atrasando o desenvolvimento do projeto. Com o acompanhamento de perto, fica mais fácil resolver possíveis problemas.

Ao final de cada sprint, a equipe se reúne para compartilhar os avanços e insights desenvolvidos durante o período de trabalho. Após esse compartilhamento, o ciclo se reinicia, com foco em novas atividades.

Vantagens do Scrum

Trabalhar com a metodologia Scrum oferece muitas vantagens, principalmente às equipes de TI. As principais são:

#1. Motivação

Equipes motivadas são mais produtivas, buscam soluções inovadoras e diminuem a rotatividade na empresa. O método Scrum aumenta muito a motivação dos funcionários, já que observar atentamente projetos sendo desenvolvidos traz sensação de realização.

#2. Transparência

O método Scrum traz mais transparência aos processos. Com reuniões diárias e tarefas devidamente segmentadas, o gestor pode perceber mais facilmente como andam os processos e quais são as falhas existentes.

#3. Redução de falhas

A terceira vantagem é uma consequência da segunda! Com mais transparência nos processos, as equipes conseguem identificar gargalos e falhas com mais facilidade, atuando diretamente em cima dos problemas.

O resultado são menos erros ao longo dos sprints e mais espírito de resolução. 

#4. Espírito de equipe

Na metodologia Scrum, os projetos são desenvolvidos em equipe e as tarefas são segmentadas. Por isso, os servidores têm mais facilidade de perceber seu papel para o desenvolvimento e andamento das tarefas. 

Isso cria nos funcionários o espírito de equipe, e incentiva a cooperação mútua e a colaboração. 

Papéis fundamentais na metodologia Scrum

Equipes de Scrum são compostas basicamente por três papéis:

O Product Owner é o responsável por decidir o que será feito e qual a ordem de prioridade. É o servidor responsável pelo sucesso global do projeto e comunica à equipe uma visão clara de quais são os objetivos de cada sprint.

Já o Scrum Master é responsável por executar a liderança do processo e ajudar a equipe de Scrum a desenvolver sua própria abordagem da metodologia.

O time de desenvolvimento, por sua vez, é a equipe multidisciplinar que realizará tarefas dentro do sprint. É importante que a equipe se autogerencie, mas o Scrum Master deve também fazer seu papel de liderança.

A metodologia Scrum pode trazer várias vantagens para o desenvolvimento de projetos em TI. Quer saber mais e continuar aplicando as dicas da 4infra? É só continuar lendo o nosso blog! 

Em um cenário dinâmico de desenvolvimento de tecnologia e a Tecnologia da Informação ganhando cada vez mais espaço dentro das empresas, a virtualização de servidores aparece como opção para oferecer vantagens ao seu negócio.

A virtualização de servidores oferece mais praticidade aos processos, além de reduzir custos e aumentar o retorno sobre o investimento. 

O que é virtualização de servidores?

A virtualização de servidores é a criação de uma versão virtual de um sistema operacional, servidor ou sistema de armazenamento.

Consiste, basicamente, em dividir os recursos de um servidor físico (hardware) em servidores virtuais.

Isso permite a execução de muitos sistemas operacionais a partir de apenas um hardware, trazendo praticidade às operações.

Quais são os tipos de virtualização de servidores?

Existem três tipos de virtualização de servidores. São eles:

#1. Virtualização completa

O sistema de virtualização completa utiliza um hypervisor (um software que se comunica diretamente com o espaço em disco e a CPU do servidor físico). 

Com a virtualização completa, o hypervisor monitora os recursos do servidor físico e mantém os servidores virtuais de maneira independente e desconhecida pelos outros servidores.

A desvantagem, porém, é que a virtualização completa depende dos recursos de processamento do próprio hypervisor. Isso pode acabar desacelerando o desempenho do servidor.

#2. Paravirtualização

Ao contrário da virtualização completa, o sistema de paravirtualização de servidores envolve toda a rede como uma unidade coesa. Na paravirtualização, os servidores não são desconhecidos pelos outros servidores.

#3. Virtualização no nível do sistema operacional

Já na virtualização no nível do sistema operacional, o servidor não utiliza um hypervisor para executar tarefas.

O sistema funciona da seguinte maneira: o recurso de virtualização que faz parte do sistema operacional do servidor físico faz o papel do hypervisor e executa todas as tarefas. 

Para que a virtualização no nível do sistema operacional funcione, entretanto, todos os servidores virtuais precisam utilizar o mesmo sistema operacional. 

Quais são os benefícios da virtualização de servidores?

Utilizar um sistema virtualizado oferece alguns importantes benefícios para a empresa. O primeiro deles são os custos operacionais mais baixos, inclusive de energia elétrica.

Além disso, a virtualização reduz o tempo de inatividade do sistema. Isso evita perdas de produção, paradas não planejadas e perdas de dados. 

A virtualização também facilita o gerenciamento e a melhor utilização dos recursos disponíveis, otimizando os processos empresariais. 

Por fim, a virtualização oferece mais segurança nos dados, permitindo backups de maneira facilitada e mais seguros. Hoje em dia, a segurança dos dados empresariais é de extrema importância e pode tirar o negócio de enrascadas.

Por isso, investir em sistemas que facilitem o trabalho de armazenamento de dados é uma vantagem importante no ambiente de TI atual.

Por onde começar a investir em virtualização de servidores?

As vantagens são muitas, mas para quem ainda está aprendendo sobre o assunto implementar a virtualização de servidores no ambiente empresarial pode se confundir. 

O primeiro passo é analisar, conjuntamente com funcionários em posição de liderança, em como a virtualização pode ser útil no contexto do negócio.

Traçar um diagnóstico da situação atual e de quais objetivos pretendem ser atingidos com a virtualização também pode ajudar nesse momento. Afinal, para quem não sabe onde quer chegar, qualquer lugar serve! 

Decisão feita, é hora de implementar. Quem tem dificuldades de lidar com a virtualização de servidores pode contar com ajuda especializada!

A 4infra Consultoria em TI oferece suporte de TI para sua empresa. Por meio de planos personalizados de infraestrutura em TI, a 4infra trabalha na assistência e prevenção de riscos. É melhor prevenir do que remediar, não é mesmo? 

Agende um horário com um de nossos especialistas aqui e comece já a traçar as mudanças no ambiente virtual de sua empresa!

A infraestrutura de TI de uma empresa deve ser segura, forte e otimizada para auxiliar a empresa frente aos desafios de uma sociedade digital. Incidentes, porém, sempre ocorrem, e o monitoramento remoto de TI pode ajudar.

Qualquer infraestrutura está passível de erros ou de melhorias. Para que o sistema permaneça eficiente e forte, deve-se monitorar de perto a infraestrutura. 

Além disso, o monitoramento pode solucionar rapidamente imprevistos que surjam na infraestrutura. Isso ajuda a manter uma boa experiência ao cliente e reforça o desenvolvimento de atividades cruciais para o negócio. 

O que é monitoramento remoto?

O monitoramento remoto ou Remote Monitoring and Management (RMM) é a capacidade de acompanhar um processo, ativo ou pessoa à distância, por meio de uma conexão de um computador. 

Um exemplo de monitoramento remoto são as câmeras de segurança, que acompanham um local por meio de uma central de vigilância.

Em Tecnologia de Informação, é um conjunto de ferramentas de tecnologia da informação que são implantadas nas estações de trabalho e servidores.

Entre as ferramentas oferecidas pelo monitoramento remoto, estão o controle de ticket de serviços, monitoramento do ambiente de trabalho, suporte e informações ao usuário por meio de uma interface completa. 

O monitoramento remoto atua de forma preventiva e proativa a fim de manter o ambiente de TI estável e eficaz. 

Quais são os benefícios do monitoramento remoto de TI?

O sistema de monitoramento remoto oferece muitos benefícios para sua empresa. Entre eles, estão:

#1. Redução de custos

A instalação de um sistema de monitoramento ajuda a prever incidentes e corrigi-los antes que o problema cause prejuízos às atividades da empresa. 

Por isso, possuir monitoramento remoto em sua empresa ajuda a reduzir custos.

#2. Diminui prazos 

Instalações e atualizações de servidores podem, com o monitoramento remoto, serem feitas à distância. 

Isso traz mais praticidade para a infraestrutura, além de diminuir os prazos de serviços.

#3. Gerenciamento e administração remotas

Com o monitoramento remoto, todo o gerenciamento e administração da infraestrutura é feita de maneira remota, sem necessidade de deslocamentos.

Além de economizar custos, isso também traz mais praticidade e rapidez no gerenciamento. 

#4. Sistema de gerenciamento escalável

O sistema de monitoramento remoto de TI da 4infra permite que você administre o ambiente de sua empresa de maneira escalável.

Isso significa que não existirão barreiras para seu crescimento. É possível gerenciar e aumentar o sistema de gerenciamento à medida que sua empresa cresce. 

#5. Melhora do desempenho geral

Como resultado de tantos benefícios, o monitoramento remoto ajuda a melhorar o desempenho geral dos servidores e dos serviços. 

Por permitir o melhor aproveitamento dos recursos, o monitoramento remoto também ajuda a otimizar processos.

Como utilizar o monitoramento remoto de TI na sua empresa?

Para utilizar o monitoramento remoto na sua empresa, você pode contar com ajuda especializada. 

A 4infra Consultoria em TI - Suporte de TI para sua empresa possui profissionais competentes e especializados em oferecer ao cliente um plano personalizado de infraestrutura em TI.

O objetivo é prevenir riscos com sistemas de assistência e prevenção da 4infra, que te ajuda a gerenciar de maneira prática o seu ambiente de TI. 

A 4infra também oferece um sistema de gerenciamento e monitoramento remoto de TI, reduzindo custos operacionais e tempo de resposta à demanda de serviço.

Agende um horário e converse com um de nossos especialistas agora!

A Tecnologia da Informação é hoje atividade essencial no desenvolvimento empresarial. Com a transformação digital e a evolução da tecnologia, a TI corporativa é fundamental para prover serviços de tecnologia empresariais.

Não importa o lugar em que sua empresa está. A TI corporativa pode e deve ser usada de maneira estratégica para atingir resultados exponenciais. 

A necessidade de melhorar processos pode ser sanada com uma mudança de paradigma empresarial, de modo a utilizar a Tecnologia da Informação como prática estratégica. 

O que é TI corporativa?

A TI corporativa é utilizada para transformar o setor em provedor de infraestrutura de TI empresarial. 

Isso requer uma mudança de paradigma e de cultura empresarial, já que é necessário reformular os processos e garantir a performance dos sistemas. 

Entre as principais vantagens da TI corporativa, estão a rapidez e agilidade nos serviços, mais segurança de dados e confiabilidade empresarial. Esses benefícios contribuem para posicionar o seu negócio em um lugar de destaque no mercado. 

Além disso, oferecem ao cliente a segurança que ele precisa para se aliar ao seu serviço ou solução. 

Quais são as principais áreas da TI corporativa?

Conheça as principais grandes áreas da infraestrutura de TI corporativa e entenda como elas funcionam! 

#1. Administração de Servidores

A primeira grande área da TI corporativa é a administração de servidores. Servidores são computadores que ficam ligados à rede e possuem grande capacidade de armazenamento. 

Podem ter espaço de armazenamento próprio ou utilizar equipamentos externos para o armazenamento. Para garantir o bom funcionamento da administração dos servidores, é importante possuir metodologias bem definidas para a virtualização do sistema.

Técnicas de DevOps podem ajudar nesse momento a otimizar os processos de administração de servidores. 

#2. Administração do ambiente de TI

A gestão do ambiente de TI é, na TI corporativa, muito importante para o bom andamento dos processos.

O ambiente de TI é um termo utilizado para se referir a todos os componentes de TI em uma organização - sejam eles físicos ou lógicos.

#3. Monitoramento da infraestrutura

A terceira grande área da TI corporativa é o monitoramento da infraestrutura de tecnologia. O sistema precisa ser escalável, robusto e confiável, controlando todos os processos e monitorando a qualidade do funcionamento.

O monitoramento inclui o disparo de avisos em qualquer incidente de perda de performance ou conexão nos sistemas. 

Para facilitar o trabalho de monitoramento da infraestrutura, você pode contar com ferramentas que automatizam a demanda e funcionam 24/7, para evitar incidentes em qualquer horário do dia.

Como implementar a TI corporativa?

Implementar a TI corporativa demanda treinamento da equipe e adequação dos processos para novos sistemas. Isso é importante porque garante que a mudança vai ser consistente e fazer parte da cultura da empresa.

Você também pode contar com ajuda especializada. A 4infra Consultoria em TI oferece suporte de TI para sua empresa e atua com um plano personalizado para atender as necessidades de cada cliente.

O objetivo é gerenciar o ambiente e prevenir riscos de infraestrutura, utilizando nossos serviços de monitoramento remoto, consultoria de projetos em TI, análise de redes corporativas, suporte remoto e presencial e muitos outros. 

Se você quer mudar o mindset da sua empresa e trabalhar proativamente para evitar riscos e otimizar processos, marque um horário com um de nossos especialistas! 

Você já ouviu falar em DevOps? A metodologia se faz cada vez mais presente em um cenário integrado de TI e de desenvolvimento da tecnologia empresarial. 

O método garante confiança, agilidade e produtividade nos processos e, por isso, tem se tornado popular frente aos gestores que buscam desenvolver um trabalho que se destaque da concorrência.

O DevOps foi criado em 2009 por Patrick Dubois, um consultor de TI independente que tinha como objetivo oferecer aos clientes um sistema estável que possibilitasse mudanças rápidas. 

O que é DevOps?

Mas afinal, o que é DevOps? O conceito se refere a uma metodologia de desenvolvimento ágil que utiliza ferramentas e práticas para desenvolver a integração entre profissionais de TI e desenvolvedores de software. 

O desalinhamento entre equipes de infraestrutura de TI e de engenharia de software gera falhas, atrasos, retrabalhos e conflitos internos. Como resultado, o cliente recebe entregas de baixa qualidade e a cultura empresarial sofre. 

Por meio da comunicação, o DevOps busca um sistema de TI bimodal, que integre times que historicamente não trabalham juntos. O objetivo da integração é simplificar processos, reduzir o tempo de resposta do cliente e aumentar a qualidade das entregas.

Por isso, Patrick Dubois criou, em 2009, a metodologia DevOps, que busca a implementação e entrega contínua, valorizando a diversidade de atividades e de profissionais envolvidos em um ambiente antes definido sob regras rígidas e burocracias lentas. 

Quais são os principais pilares do DevOps?

O método possui alguns pilares que baseiam o desenvolvimento ágil e a integração entre times. 

#1. Integração contínua

O pilar de integração contínua é essencial para o sucesso da adoção do DevOps. A ideia é buscar sempre a transferência de conhecimento e integração entre equipes de desenvolvimento, operações e apoio.

#2. Implantação contínua

As equipes devem estar sempre atualizadas. Por isso, o pilar de implantação contínua busca liberar de maneira rápida e ininterrupta novas versões de softwares. 

#3. Feedback contínuo

A cultura de feedbacks contínuos, é, no DevOps, essencial para entender o bom andamento do processo. As equipes precisam oferecer retornos em todas as fases do ciclo de vida do serviço. 

Além disso, alguns valores básicos norteiam a metodologia. São eles:

Quais são os benefícios do DevOps?

O DevOps oferece algumas vantagens em relação a outras empresas que não utilizam a metodologia.

A primeira delas é a segurança. O método oferece mais clareza e segurança aos processos, pela possibilidade de implementar diretrizes específicas e monitorar o desempenho do software em tempo real.

Ao implementar o DevOps, é necessário oferecer ao time capacitações e treinamentos com profissionais especializados, que ajudem a empresa na transição de cultura. 

Isso faz com que os servidores ganhem mais capacitação, e de quebra, consigam se tornar referência na área e a empresa, diminua custos com contratações.

Outra grande vantagem do método é a colaboração e integração entre equipes, valorizando uma comunicação mais aberta e eficiente. A comunicação garante fluidez no trabalho e reduz custos, além de criar um ambiente corporativo mais harmonioso e melhorar as condições de trabalho.

A capacidade de inovação também aumenta, e, consequentemente, a experiência do usuário melhora e os clientes se tornam mais satisfeitos.

Como resultado, o DevOps oferece mais produtividade nos processos, mais agilidade, mais qualidade nas entregas - tudo isso com o menor custo possível.

Como implementar o DevOps?

Para implementar o modelo DevOps, é necessário realizar a integração das equipes. E isso não significa apenas reunir os times em uma mesma sala. Uma mudança de cultura é imprescindível. 

Uma dica para começar é iniciar com projetos pequenos, que oferecem mais controle e previsibilidade. Assim, as equipes se acostumam a trabalhar juntas.

O próximo passo é padronizar os ambientes. Toda a equipe precisa seguir os mesmos protocolos e utilizar as mesmas ferramentas. 

A eficiência da gestão tem tudo a ver com o sucesso da implementação do DevOps. Gestões eficientes sabem como mensurar as entregas, aplicam mudanças decorrentes de processos de feedback e motivam as equipes.

A 4infra Consultoria em TI pode ajudar nesse momento. Com uma equipe especializada, produzimos planos de infraestrutura de TI personalizados para clientes e oferecemos consultoria para equipes que desejam aumentar a produtividade e aprenderem a gerenciar o ambiente visando o crescimento contínuo.

Para conhecer mais, agende um horário com um de nossos especialistas! 

Os ataques cibernéticos infelizmente são muito comuns hoje em dia e podem causar grandes prejuízos para a sua empresa. De olho nos dados, os hackers procuram brechas de segurança virtuais para atacar dispositivos comerciais e pessoais. 

Se prevenir de ataques é de extrema importância para garantir a segurança dos dados empresariais e evitar crises no negócio. Por isso, a segurança cibernética de sua empresa deve ser um ponto de atenção para todos os servidores. 

Para construir uma infraestrutura de TI segura, é preciso descobrir os principais pontos de vulnerabilidade da estratégia e corrigi-los. Entenda quais são as principais brechas de segurança virtuais e como descobri-las e corrigi-las. 

Qual a importância de se proteger de hackers?

Brechas na segurança virtual podem causar prejuízos imensuráveis. Além de causar um impacto negativo na imagem empresarial frente aos clientes, a falta de segurança virtual leva a vazamento de dados e perda da competitividade.

Além disso, com a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) empresas que não se adequem aos marcos regulamentares podem enfrentar consequências jurídicas e perderem direitos decorrentes do não cumprimento da lei. 

Tudo isso acarreta prejuízos financeiros, já que perder clientes e lidar com consequências legais e de crise de imagem custa caro. É sempre melhor prevenir se remediar! Por isso, aprender a manter a infraestrutura de TI da sua empresa segura é o primeiro passo para se proteger. 

Quais são as principais brechas de segurança virtuais?

Os principais pontos de vulnerabilidade enfrentados pelas empresas são ativos de rede desatualizados, ausência de softwares modernos e a adoção do Bring Your Device.

Além disso, firewall desatualizado, políticas de proxy pouco eficazes e aplicações desatualizadas também oferecem brechas de segurança virtuais e são um prato cheio para a ação de hackers.

Portas de entrada USB e pen drives também são problemas, já que podem carregar consigo vírus de um dispositivo a outro e infectar facilmente as máquinas. 

Como descobrir brechas de segurança virtuais?

Para descobrir se sua empresa está ou não sujeita a brechas de segurança virtuais, o primeiro passo é entender o nível de maturidade em segurança digital da organização. O autodiagnóstico é importante para avaliar a segurança e entender os próximos passos para correção.

Identificar pontos críticos e testar os pontos de vulnerabilidade também são boas ideias para analisar o quão segurança contra ataques virtuais sua empresa está. 

Esse monitoramento deve ser feito cotidianamente, para garantir que brechas de segurança estejam em processo de melhoria contínua e a empresa fique cada dia mais segura. 

Como corrigir brechas de segurança virtuais?

Depois de identificadas as brechas, é hora de corrigi-las. Alguns passos podem ajudar.

#1. Treine a equipe

É essencial que a empresa possua uma cultura de segurança virtual bem definida, para que os cuidados não partam apenas dos gestores. Toda a equipe precisa estar alinhada frente aos meios de manter a segurança dos dados. 

Os usuários precisam se conscientizar e serem educados quanto às consequências dos ataques de hackers. É possível investir em treinamentos para os servidores. 

#2. Corrija os pontos de vulnerabilidades já identificados

Identificou softwares desatualizados e programas de antivírus pouco eficazes? Invista em corrigir os pontos já identificados e teste se as medidas de correção foram suficientes para resolver o problema. 

#3. Revise sua estratégia de segurança digital

A tecnologia está sempre se desenvolvendo e, com ela, as políticas de segurança digital. Para manter os sistemas sempre seguros, é essencial possuir uma estratégia de segurança digital eficaz e moderna.

Para isso, você pode contar com o apoio da 4infra Consultoria em TI. A 4infra possui uma equipe atualizada e especialista em prevenir e corrigir problemas em TI. 

Com um plano personalizado para cada cliente, você pode contar com a solução ideal para seu serviço. Agende um horário com um de nossos especialistas aqui! 

O Business Intelligence (BI) é um termo popular no setor empresarial. Surgido na década de 1960, como um sistema que ajuda a compartilhar informações nas organizações, o BI se desenvolveu e hoje usa os dados que possui para gerar mudanças positivas e eliminar a ineficiência. 

O BI, também chamado de inteligência empresarial, envolve teorias, metodologias, processos, tecnologias e estruturas que, em conjunto, tem o poder de transformar as tomadas de decisões e os resultados da empresa. 

O sistema oferece inúmeros benefícios para o negócio, mas implementar o Business Intelligence em um cenário de transformação digital e convergência de dados pode não ser a tarefa mais fácil do mundo.

O que é Business Intelligence (BI)? 

O Business Intelligence surgiu na década de 1960 por um cientista da computação chamado Hans Peter Luhn. De lá para cá, se desenvolveu junto com modelos computacionais para auxiliar na tomada de decisões e transformar os dados em informações aplicáveis.

Mas o que é, afinal, esse sistema? É um processo orientado pela tecnologia para analisar dados e agrupar informações que auxiliam a equipe no diagnóstico empresarial. 

Composto por uma ampla variedade de ferramentas e metodologias, o BI permite que a empresa tenha acesso a dados examinados e condensados em gráficos, relatórios e painéis gráficos e mapas.

As ferramentas de BI fornecem apoio para a empresa examinar os dados e obter insights, simplificando o esforço humano e otimizando a gestão empresarial. É a integração do negócio, do gerenciamento e da Tecnologia da Informação.

Quais são os principais benefícios do BI?

O Business Intelligence oferece inúmeros benefícios para a empresa. O sistema facilita o planejamento estratégico, otimiza processos, acelera resultados e ajuda a construir vantagens competitivas. 

A facilidade de visualização dos resultados também diminui o tempo, energia e recursos gastos com a análise de decisões e planos estratégicos. 

Além disso, com o uso do BI, é possível identificar não apenas o que está dando certo, como também os gargalos da empresa e as falhas. Dessa maneira, fica mais simples corrigir o problema. 

Entre os benefícios do Business Intelligence, estão:

entre outros. 

Como implementar BI na sua empresa?

As vantagens são incontáveis, e empresas de todo setor têm a ganhar com o uso do sistema de Business Intelligence. 

Para o sucesso do BI na empresa, os gestores precisam levar em conta a qualidade e dos dados utilizados nos processos, manter uma visão clara dos objetivos e possuir flexibilidade em relação às metas do negócio.

As etapas para implementação do Business Intelligence são: escolha da melhor ferramenta, escolha dos indicadores de performance (KPI 's), dados organizados, criação de cultura empresarial que leve em conta o BI e definição de metas e acompanhamento do projeto. 

Quem pode implementar BI?

Para implementar o BI no seu negócio, pode ser necessária uma equipe interdisciplinar com experiência nesta tecnologia. O profissional apto para implementar BI deve ter experiência com dados e com sistemas tecnológicos.

Além de tudo, deve possuir uma visão alinhada aos objetivos da empresa e garantir a segurança dos dados e a aplicação de um sistema responsivo e eficaz. 

Montar uma equipe competente e pronta para implementar um sistema de BI pode ser difícil, já que envolve uma série de recursos e tempo. 

Você pode contar com a 4infra Consultoria em TI. Com uma equipe especializada e pronta para entender os objetivos do seu negócio, a 4infra utiliza planos personalizados de infraestrutura em TI e está pronta para implementar o sistema de Business Intelligence na sua empresa.

Não espere por uma crise para reforçar a segurança dos dados e utilizar a tecnologia a seu favor! Agende um horário com a 4infra aqui. 

Os desafios empresariais de uma sociedade hiperconectada e competitiva são muitos e frequentes. Em meio a esse cenário, muitas ferramentas surgem para facilitar o cotidiano dos negócios e oferecer melhores resultados. É o caso dos workflows. 

Os workflows podem minimizar desafios empresariais e facilitar a comunicação entre servidores e canais. Além disso, ajudam a otimizar processos e facilitam o sucesso das decisões do negócio. 

Eles são, além de tudo, essenciais para a gestão de equipes. Utilizar workflows pode transformar a sua empresa!

O que são workflows?

Workflows, ou Workflow Management Coalition é a sistematização do processo do negócio. Traduzindo para o português, um workflow é nada mais do que um fluxo de trabalho.

Na prática, é a automação de processos de negócios, que define e gerencia fluxos de trabalho organizacionais e facilita a comunicação entre setores e a troca de dados.

Com softwares de workflow instalados, é possível controlar o fluxo das informações, o tempo de execução das tarefas e a sequência das atividades. 

O sistema de workflow pode ser subdividido em AD HOC (processos manuais simples), administrativo (abrange processos burocráticos), produtivo (processos que envolvem complexidade), colaborativo (procedimentos que envolvem trabalho cooperativo) e transacional (processos efetivados de maneira conjunta, mas em unidades diferentes). 

Benefícios de implementar workflows

O fluxo de dados, pessoas e informações dentro de uma empresa pode ser grande e pode ser difícil coordenar a execução de tarefas. Esses processos ficam ainda mais complexos quando o negócio cresce, e é essencial que as tarefas sejam executadas de forma coordenada.

Os workflows podem facilitar a gestão de tarefas, tornando os processos claros e a comunicação entre setores facilitada. Além disso, garante com que cada colaborador seja informado de que há tarefas a serem cumpridas.

Isso otimiza o fluxo de trabalho, aumenta a produtividade, reduz os custos e melhora a eficácia dos serviços. A eliminação de gargalos torna os fluxos mais unificados e automatizados, o que também ajuda na tomada de decisões. 

Como implementar workflows?

Algumas dúvidas podem surgir na hora de implementar workflows na sua empresa. Um passo a passo pode ajudar. 

#1. Identifique os processos a serem adaptados

Fazer um auto diagnóstico da empresa é muito importante na hora de implementar sistemas de workflows. Identifique os processos que podem ser adaptados pelo software e permita a diminuição de erros.

#2. Delimite os participantes dos workflows

Delimitar os participantes, objetivos e atividades dos workflows é parte essencial do processo de implementação desses fluxos de trabalho automatizados. Assim, é possível entender qual é a exata necessidade da empresa e como os workflows funcionarão.

#3. Conte com uma consultoria de TI especializada

Implementar workflows em sua empresa pode ser trabalhoso. A tarefa fica mais fácil se você contar com a ajuda de uma consultoria de TI especializada, que identificará os melhores softwares para cada necessidade e ajudará a manter a segurança dos dados empresariais.

A 4infra - Consultoria em TI - Suporte de TI para sua empresa pode te ajudar nesse processo. Possuímos profissionais altamente especializados para atuar de forma preventiva e oferecer a cada empresa um plano personalizado de infraestrutura em TI. Agende um horário agora! 

chevron-down