(031) 3195-0580
4infra

Ao contrário de eu fazer uma postagem para explicar por que é necessário realizar um inventário de TI eu poderia apenas citar a expressão clichê dos gestores: O que não é medido não pode ser gerenciado! Mas vamos além, iremos explicar melhor como realizar um inventário de TI. A maioria das pequenas e médias instituições não designa inventário de TI. As causas são várias: desenvolvimento desordenado, falta de capital, profissional de TI com pouca capacidade, etc.

São numerosas as competições da gestão em Tecnologia da Informação. Essa área reserva dados planejados que podem criar interesse competidor para empresas de todos os portes. Ainda que a organização do setor seja negligenciada, existe uma possibilidade de que chances e riscos passem despercebidos pelo seu trabalho. Por isso, fazer um inventário de TI está entre as maiores práticas no controle de redes corporativas. Inventariar representa em fazer uma relação de valores, relatando aquilo que uma pessoa física ou jurídica tem. No ambiente empresarial, é capaz se referir ao estoque de elementos registrados no almoxarifado. O inventário de TI, exclusivamente, serve para administrar dos ativos que constituem um parque tecnológico. Corresponda à pergunta: qual é a herança da sua empresa, em limitações de hardware e software? Você sabe como vai a anda dos equipamentos e sistemas utilizados pela equipe?

A qualidade de necessidade de um inventário de TI varia, adequando-se à quantidade de dados que uma empresa demanda. Desde o período de compra dos PCs, até as configurações da máquina usada pelo utilizador X. Certo que, quanto mais conhecimento sobre a sua suporte de uma estrutura, maior segurança nas soluções que lhe dizem respeito. A seguir, discutiremos os importantes benefícios de reunir tantos detalhes, bem como as resultados de ignorá-los.

 

Qual a importância de controlar seus arquivos?

Redução dos custos: Permitir a compra de novos equipamentos sem real necessidade é uma importância da falta de administração por inventário. A lista das máquinas possibilita que essas exigências e solicitações que chegam a grupo de TI estejam, primeiramente, desenvolvidas. Às vezes, simples mudanças internas, como a troca de PCs entre áreas, resolvem o caso.

Segurança: Desenvolver o controle detalhado de ativos vai evitar dificuldades de proteção pela instalação de programas não competentes. Dá para identificar a presença de responsáveis maliciosos antes que eles se estendam na sua rede.

Controle de licença: Com o conjunto de licenças adquiridas pelas instituições, é normal perder o prazo para manutenção de um software e romper com o contrato expirado. Um dia de produção sem o seu CRM ou ERP pode ser totalmente perdido. O inventário de TI determina essas e outras datas importantes, como o período de experiências ou assistência técnica.

Ganho de eficiência: Para o grupo do suporte técnico, um inventário significa ganho de capacidade com a administração de históricos relacionados às máquinas. As propriedades de cada equipamento, como referência da placa-mãe, informações do processador e capacidade da memória RAM ficam disponíveis.

Auditorias técnicas: A assistência de um registro constante possibilita prestações de contas em imprevisíveis auditorias, à capacidade em que contribui para a normalização do parque de acordo com contratos e legislações.

 

Como começar um inventário de TI?

Autonomamente do motivo que trouxe você a perceber quão importante é um inventário de TI, dar o primeiro passo em sentido à nova forma de organização pode ser complexo. Para alguns falta tempo, ou mesmo conhecimento acerca de como iniciar este desenvolvimento. Vale salientar que não há uma exclusiva forma de inventariar seus arquivos você precisa conseguir aquela que se adeque melhor ao excesso de trabalho do seu grupo.

A primeira possibilidade descoberta pelos administradores são planilhas do Excel. Esta forma de gestão manual não requer aplicação financeira preliminar, somente a concentração da equipe para dar inicia no mapeamento da internet. Outra parte positiva é a facilidade, qualquer funcionário realiza manusear o arquivo em questão.

Pois, se acaso a objetivo seja tirar do papel um plano de inventário, as planilhas podem trabalhar. Elas apresentam uma noção introdutiva sobre o espaço do seu parque. Adiante do mais, é uma forma de comprovar a qualidade do controle de ativos para a gestão em TI, de meio a evoluí-lo para um projeto forte. Resultado de estações, usuários associados, data de compra e especificações técnicas das máquinas são alguns dados para regular o seu registro.

 

Um próximo passo

Um perigo que você corre usando planilhas é romper com o inventário ultrapassado, por falta de conhecimento ou mesmo por não dar atenção da quantidade de trabalho. O processo de avaliação manual precisa de transferência físico dos trabalhadores, e integração dos dados um a um. Em meio às ações prioritárias, nem sequer sempre se realiza manter uma concentração adequada para estas tarefas. Enquanto a empresa aumenta e seus ativos se ampliam, reunir tantos dados fica problema.

Você precisa também atender as seguintes perguntas:

Quantos PCs têm na empresa?

Quantos são desktops e quantos são notebooks?

Quais sistemas operacionais estão usando?

Estão avançados?

Quais softwares estão instalados?

Todos PCs, noteboks e servidores tem antivírus?

Qual o tamanho do HD, capacidade de memória, qual o processador?

Qual a tempo destes hardwares? Já está no momento de trocar?

O hardware destes PCs permite uma atualização de SO?

Quais outros hosts (servidores, switches, impressoras, terminais) estão na sua rede?

E apresentamos várias outras perguntas comuns sobre a nossa suporte de uma estrutura, as quais não podem responder.

E isso vai gerando outras questões sobre a Gestão da TI:

Podemos melhorar para versão mais atual do Windows, Linux, Mac OS ou qualquer outro?

Porquanto está a licença dos meus sistemas e softwares?

Eu tenho algum software não habilitado instalado em algum PC?

Quantas impressoras eu tenho e quais os endereços delas?

Quantos hosts eu tenho na rede?

Como está a capacidade de IPs da rede?

Preciso modificar meu parque?

Quantos PCs precisam comprar?

Quais PCs pode fazer um upgrade para aumentar desempenho e produção?

Quem é o dono ou usuário de determinado PC?

Afinal, coisas básicas que necessitamos saber para fazer uma boa gestão.

 

Pra que serve um inventario de TI em hardwares e softwares?

Para fazer uma boa administração dos hardwares e softwares de uma empresa, é necessário entender quais padrões e interesses tal demanda apresenta. Assim, contendo suas limitações de ação, é possível criar alternativas e demais recursos para sua gestão.

Pois, o inventário de TI estrutura todo o parque de equipamentos, sistemas, suas conexões e ligações com os usuários e seus relacionados setores. Com todos os elementos denominados, ele faz um acompanhamento para garantir a produção e escalabilidade, seja aumentando ações preventivas de administração, seja ampliando seu potencial antes de produzirem gargalos produtivos.

 

Quais seriam suas funções?

Com o inventário bem dirigido, a equipe da área de TI pode trabalhar de forma mais planejada e otimizada, possibilitando que contribua para o bom trabalho do negócio e também para suas técnicas futuras. Entre suas ações mais gerais, podemos apresentar o acompanhamento e administração de ativos, envio de sinais sobre suas performances, biblioteca de scripts, orientação do vencimento e uso de licenças, avaliação do desempenho da rede de PCs, link da internet, controle de usuários e suas sanções de senhas, entre outros.

Suas aplicações e acompanhamento regulares possibilitam que a empresa veja o desempenho de seus meios tecnológicos, obtenha se eles — e materiais como toner de impressoras e papéis — estão sendo utilizados devidamente, acompanhe a responsabilidade de chamados sobre insuficiência ou inoperância, e claro, analise a situação da infraestrutura conseguir adaptar novos processos no curto, médio e longo prazo.

 

Inventário de rede

O inventário de rede cuida não apenas com os hardwares encarregados por conexões de sistemas, mas também dos sistemas e atividades relacionados. Por certo, é preciso analisar suas licenças de uso, validade das versões e como elas se referem com outras. Comparar sistemas e fazer com que um associe dados com os outros é importante para trazer melhoria para os processos internos. E a fim de disto é fundamental que a suporte de uma estrutura da rede esteja em dia com suas exigências de agilidade e elaboração por exemplo.

Esse inventário também é profundamente estratégico para projetos que lidam com avanços imediatos do uso de seu parque tecnológico. Aquelas que têm e-commerce, por exemplo, geralmente fazem promoções que dão grande tráfego em seus servidores. Para que tais incentivos tenham sucesso, porém, é fundamental saber se a infraestrutura atual sustenta tal fluxo atípico. Com um inventário de rede bem formado, o TI pode realizar estrategicamente legitimando que a rede aguentará ou não tal volume de acessos.

 

Garantia da segurança de dados

A proteção dos dados é uma responsabilidade gradual para os administradores de TI e aplicar não somente em ações de compreensão dos usuários, mas também em técnicas antivírus e sistemas que eliminem ações de hackers são importantes. Nesse ponto a influência de fazer a administração do inventário de hardwares e softwares volta a tomar importância. Entender a área do parque tecnológico permite a reconhecimento de seus pontos instáveis e quais os melhores processos para melhorar sua segurança. Lembrando as pequenas e novas empresas, a vocês também é necessário e útil fazer um inventario de TI, para que se tenha controle do que entra na sua rede.

chevron-down